Remo vence clássico e Papão já enfrenta protestos

Derrota por 1 a 0 encerra sequência invicta do técnico bicolor Dado Cavalcanti na temporada 2018. Para o remista Givanildo Oliveira, placar garante tranquilidade ao grupo.

seg, 12/03/2018 - 18:24

No Re x Pa do último domingo (11), no estádio Mangueirão, pelo Campeonato Paraense 2018, a equipe que soube jogar um clássico ganhou: o Clube do Remo. O placar magro, de 1 a 0, evidenciou o que foi a partida: muita vontade, pouca criatividade e senso de decisão. Agora, o Paysandu tem pela frente o jogo de volta pela Copa Verde, contra o Santos do Amapá. O Remo só volta a campo daqui a uma semana, diante do Cametá, pelo Parazão.

O jogo deu o que falar antes, durante e após os 94 minutos. Em um primeiro momento, o clima era de apreensão em relação à segurança dos torcedores – pouco mais de 23 mil compareceram -, por conta da violência entre membros das torcidas organizadas dos clubes. No decorrer da partida, prevaleceram a disputa e o equilíbrio. Oo gol de Felipe Marques, aos 41 minutos do primeiro, destoou e garantiu a vitória azulina. Após o jogo, o ambiente para o vencedor era de flores. A equipe derrotada enfrentou protestos e pressão.

O Leão Azul tinha na partida a circunstância ideal para dar tranquilidade ao trabalho de Givanildo Oliveira. Uma vitória no clássico deixaria o ambiente mais tranquilo para triunfos futuros. E foi o que aconteceu. Apesar da atuação não ter sido a ideal, o resultado foi importante. “Nós tivemos o maior acerto. A prova disso é a vitória. Sim, tivemos alguns erros. A chuva castigou o gramado. Mas, o que valeu foi a vontade dos jogadores. Nesse jogo, fomos melhor”, disse o técnico do Clube do Remo.

O próximo adversário da equipe azulina, o Cametá, já está rebaixado para a próxima edição da segunda divisão do estadual. Marcada para Cametá, a partida poderá ser transferida para Belém. Para Givanildo, a possível troca é benéfica ao Remo. “Para nós é algo muito bom, por conta da viagem. O treinamento poderá ser mais tranquilo. Vamos, durante a semana, recuperar os jogadores para esse jogo”, frisou o treinador. A equipe remista já tem o primeiro lugar do Grupo A2 garantido, com 19 pontos.  

Por outro lado, o Paysandu vinha de uma sequência de bons resultados. Cinco vitórias seguidas. Quinze gols feitos e apenas quatro sofridos. Duas goleadas por 4 a 0. O começo da terceira passagem do técnico Dado Cavalcanti pelo Lobo era visto como acima da média. Porém, os números de nada adiantam quando há derrota no clássico paraense. “A avaliação é em cima do resultado. Não era o que queríamos. O placar resume uma partida como essa. A atuação fica em segundo plano. A vitória ou derrota repercute mais do que o desempenho. Creio que o jogo se resumiu a isso”, explicou o técnico do Paysandu, Dado Cavalcanti.

Após o jogo, um grupo de torcedores protestou, no portão B2, local da saída dos membros da equipe bicolor. Houve tumultuo e princípio de invasão da área reservada aos credenciados. A situação foi contornada pelos seguranças e policiais militares. Porém, a contenção não conseguiu evitar o apedrejamento do ônibus do Paysandu. Janelas do veículo foram atingidas e parcialmente quebradas. Não se sabe até que ponto toda essa pressão vai influenciar na sequência de jogos do time alviceleste. A equipe volta a campo na próxima quinta-feira (15), pela Copa Verde. Três dias depois terá outro jogo, contra o Paragominas, pelo Parazão 2018.

O Paysandu não perdia dois clássicos seguidos desde 2015. Para o técnico Dado Cavalcanti, é necessário “sentir” a derrota no clássico, mas não aumentar a importância da lição sofrida. “Não pode transformar essa derrota em algo muito maior do que ela já é. Precisamos sentir o revés e tudo que ele pode trazer, isso é importante”, disse.

O treinador ainda falou do foco que será colocado na sequência de jogos. “Não podemos baixar a cabeça, deixar cair a moral dos jogadores. Teremos novos jogos pela frente, na Copa Verde e depois no estadual, onde a equipe tem boa campanha e está quase classificada em primeiro lugar do grupo. Temos que dar continuidade ao trabalho”, afirmou o comandante bicolor.

O jogo entre Paysandu e Santos do Amapá será na próxima quinta-feira (15), às 21h15, no estádio da Curuzu, pelas quartas de finais da Copa Verde 2018. No primeiro jogo, o Lobo venceu por 3 a 2 e, para garantir a vaga, pode perder até por um gol de diferença. 

Por Luiz Antonio Pinto.

 

COMENTÁRIOS dos leitores