"Deus Salve o Rei" estreia com opiniões divididas

Produção global conta uma história de amor em um período medieval

por Paulo Uchôa | qua, 10/01/2018 - 12:14
Compartilhar:
Foto: Divulgação .

A divulgação pesada da nova produção da Globo, "Deus Salve o Rei", deu início a mais uma corrida pelo sucesso. Com uma pitada dupla do filme "300" e da série "Game of Thrones", o folhetim de Daniel Adjafre mostrou no capítulo de estreia, nessa terça-feira (9), que o clichê do casal fofinho e da visão alienada do vilanismo, de fato, serão incansavelmente explorados. Em resumo, a obra conta uma história de amor em uma época medieval. 

Sob uma expectativa de meses por parte do elenco que estudou bastante na composição de cada personagem, a trama foi recebida por uma chuva de opiniões divididas pelo público nas redes sociais. Uns diziam que a novela estreou lindamente, já outros bateram na tecla de que é muito cedo dar troféu de apreço.

O romantismo de Amália, personagem de Marina Ruy Barbosa, irá de encontro ao ódio da princesa Catarina, interpretada por Bruna Marquezine. Elas devem acertar ao longo da obra as tonalidades das interpretações. Ainda é muito prematuro para julgar uma trama que não tem 24 horas de exibição, mas um fio de noção puxa o outro: o termômetro da audiência ainda é medido nas ruas. 

Os diálogos pausados e algumas falhas nos efeitos especiais do chroma key, que basicamente transformaram inúmeros personagens em arquivo PNG (formato para retirar o fundo de imagens), foram costurados pela abertura caprichada e também pela trilha sonora muito bem produzida.

Dirigida por Fabrício Mamberti, a trama está no ar para provar que o telespectador não deve descartá-la tão fácil. Um voto de confiança merece ser dado, assim como aconteceu com a novela "O Outro Lado do Paraíso", do Walcyr Carrasco, que foi apedrejada na primeira fase, e que hoje prende a atenção do bom noveleiro do horário nobre. 

Muitas águas irão rolar na história medieval das 19h, sem contar que falta uma tonelada de atores que prometem conquistar as pessoas, como Tatá Werneck, Fernanda Nobre, Marina Moschen e Bia Arantes. É notório perceber que "Deus Salve o Rei" está de malas prontas para ser amada ou rejeitada. 

Carregando