Por onde anda o maestro Cristiano, o tecladista de peso

Dez anos longe da televisão e 70 kg mais magro após a cirurgia de redução do estômago, o tecladista, hoje com 40 anos, relembra o auge da carreira e fala da rotina como músico nos dias atuais

por Eduarda Esteves ter, 28/08/2018 - 08:15

Maestro Cristiano ao lado do ex-apresentador Denny Oliveira. Foto: Júlio Gomes/LeiaJáImagens

Para muitos pernambucanos, almoçar assistindo televisão no início dos anos 2000 tinha um sabor especial, que estava além da comida. Seja em casa, na residência de familiares, no horário livre do almoço ou em algum mercado popular, as pessoas faziam questão de acompanhar as atrações locais dos programas de auditório. A partir de 2001, um personagem carismático e ímpar foi chamado para compor a programação na telinha do Tribuna Show e no início sua função era resumida a ser o tecladista da atração. Mas, nas primeiras aparições, o sucesso foi tanto que Cristiano dos Santos Costa, o maestro de peso, ganhou espaço e até os dias atuais é lembrado pelo trabalho.

Na época, a programação da telinha era recheada de atrações da cena brega pernambucana, que lançavam canções, apresentavam as coreografias inovadoras e ousadas e o figurino especial, sempre brilhoso e provocador. Principalmente entre os anos 2000 e 2006, os programas de auditório ganharam espaço na televisão. Na época, o também saudoso quadro dos calouros, em que pessoas podiam mostrar o talento na TV, fazia muito sucesso no 'Muito Mais', programa comandado por Denny Oliveira na TV Jornal, além do Tribuna Show com Flávio Barra da TV Tribuna e o Clube Show com Beto Café da TV Clube.

Em seu teclado, o maestro Cristiano fez história. Acompanhava qualquer banda, em qualquer ritmo, com empolgação e descontração. Gordinho, pesava 154 kg. Com roupas brilhosas, caricatas e sempre animando o público, o maestro se tornou peça fundamental no programa. O sucesso foi tanto que ele, além de tocar, cantou; lançou a banda ‘Maestro Cristiano e Companhia’.

“Lançamos um CD na época e fazíamos muitos shows com um cachê até bom. Tinham dançarinas, van, cantoras, banda e tudo mais. Viajamos o Brasil. O cachê era R$ 1.500, grana boa”, relembra Cristiano, em entrevista exclusiva ao LeiaJa.com.

Ao lado do ex-apresentador Dennison Oliveira Lima, conhecido regionalmente como Denny Oliveira, o maestro recebeu bandas e cantores famosos no programa. Calypso, Reginaldo Rossi, Belo e muitos outros artistas cantaram os seus sucessos acompanhados pelo teclado de Cristiano. A timidez do garoto que nunca tinha entrado em um estúdio de televisão perdeu espaço e foram anos no auge, momento em que ele considera a melhor fase da vida.

Gordinho, pesava 154 kg, com roupas brilhosas, caricatas e sempre animando o público, o maestro se tornou peça fundamental no programa. Foto: Júlio Gomes/LeiaJáImanges

O início da carreira e o convite

Cristiano começou na carreira musical tocando percussão nas bandas do colégio. Tocou bateria, violão e após uns anos, se identificou com o teclado. “Eu assimilei muito fácil”, diz. Nunca fez aulas de música para aprender partituras e é autodidata. “Aprendi tudo sozinho porque música sempre foi a minha paixão”, explica, complementando que a comida também era um grande amor. “Eu comia demais, era um divertimento”.

Ele conta que a televisão entrou na sua vida de forma inesperada. “Em 2001, eu tinha 23 anos e estava de madrugada na casa de um amigo, quando a campainha tocou e era Denny Oliveira. A gente tinha acabado de comer e quando ouvimos o toque, pensamos logo que era ladrão. Mas, era o ilustre Denny. Ele entrou e disse que ia estrear o seu programa e precisava de um maestro”, relembra. Cristiano detalha que o amigo o indicou para a atração e ele logo topou. “Fiz o teste, tinham muitos tecladistas que tocavam de tudo. Eram muito melhores e estudados, mas eu sabia fazer tudo. Três dias depois, a produção me ligou e descobri que fiquei com a vaga para o Tribuna Show e fui comer para comemorar”.

A dupla maestro Cristiano e Denny Oliveira teve fim após o ex-apresentador Dennison Oliveira Lima começar a ser investigado em 2007, quando o Ministério Público de Pernambuco apresentou uma denúncia contra ele por estupro, atentado violento ao pudor e oferecimento de bebida alcoólica a menores de idade. De acordo com a investigação da época, vítimas seriam meninas que participavam dos programas de auditório apresentados por ele. O inquérito foi conduzido pela Gerência de Polícia da Criança e do Adolescente (GPCA) de Pernambuco. Denny foi desligado da TV Jornal, empresa que trabalhava na época, e o sucesso da atração começou a decair. "Eu acho uma injustiça o que fizeram com ele. Acabaram com a carreira do melhor apresentador de Pernambuco", alega o maestro.

Dez anos longe da televisão, 70 kg mais magro após a cirurgia de redução do estômago, com poucos cabelos e mais reservado da mídia, continua vivendo da música. Foto: Júlio Gomes/LeiaJáImagens

Foram quatro anos na TV Tribuna e mais quatro na TV Jornal com o programa de auditório. “Denny saiu da empresa após ser demitido e eu continuei interno. Fazia trilhas para aberturas de programa, para o jornalismo, jingles e trabalhava no estúdio. Também fiz a primeira trilha original minha, a música dos dez anos da Tribuna”. Mas, em 2008, o maestro foi desligado da televisão e apesar de ter recebido outras propostas de emissoras, recusou e preferiu seguir a vida fora da mídia mais tradicional.

O maestro Cristiano, hoje com 40 anos, dez anos longe da televisão, 70 kg mais magro após a cirurgia de redução do estômago, com poucos cabelos e mais reservado da mídia, continua vivendo da música, faz shows e diz que soube lidar com a saída da TV e as polêmicas em que se envolveu na carreira. Ele também chegou a ser acusado de estuprar uma garota de 13 anos pouco depois da demissão de Denny. “Eu também passei por isso, mas a mãe da garota retirou a acusação porque ela disse que a menina era apaixonada por mim e não era verdade o estupro. As pessoas inventam muitos boatos e as consequências são grandes”, detalhou.

Embed:

Nas redes sociais, os fãs e pessoas que sentem saudades do programa brincam em postagens: “maestro Cristiano é melhor que David Guetta”. Outros perguntam e procuram saber o que aconteceu com o músico que abrilhantou a televisão pernambucana por anos e valorizou a cena brega do Estado. Longe das mídias por não gostar de exposição, o maestro montou a banda Radiola de Ficha, ao lado do cantor Mancha do Brega e no fim de semana a agenda é composta por barzinhos da Zona Oeste do Recife, principalmente. “No Carnaval e no São João, a nossa demanda aumenta, mas levamos uma vida tranquila. A gente se diverte trabalhando, esse sempre foi o meu lema”, complementa.

 Apaixonado pelo brega, o maestro diz que sua principal influência é o brega raiz dos apaixonados e rechaça a música cantada pelos MCs mais modernos, que para ele vulgarizam a mulher e faltam com o respeito à sociedade. “Gosto da música romântica, brega, que valoriza as relações. Acho que isso de hoje em dia não é brega, mas o verdadeiro nunca morre, é eterno”, finaliza.

Nas redes sociais, os fãs e pessoas que sentem saudades do programa brincam em postagens: “maestro Cristiano é melhor que David Guetta”. Foto: Rafael bandeira/LeiaJáImagens

Cristiano e Mancha do Brega tocam nos bares Varanda do Engenho e no Fiteiro do Douglas, sextas e sábados, respectivamente. Os interessados em contratar a banda Radiola de Ficha para apresentações podem ligar no telefone (81) 98616-0935 e falar diretamente com o maestro.

LeiaJa também:

--> Dia Municipal do Brega é instituido no Recife 

--> Brega é oficialmente expressão cultural de Pernambuco 

--> O brega pernambucano desconhece a palavra 'crise'  

--> De Labaredas a Troinha: o triunfo do Brega em Pernambuco 

COMENTÁRIOS dos leitores