Mostra sobre diversidade é cancelada após protestos do MBL

Integrantes do Movimento Brasil Livre encabeçaram as manifestações contra a mostra que buscava promover a diversidade alegando que algumas das obras eram ofensivas

por Ana Tereza Moraes seg, 11/09/2017 - 09:57

A exposição ‘Queermuseu – Cartografias da diferença na América Latina’, em cartaz há quase um mês no Santander Cultural de Porto Alegre, teve que ser fechada antes da hora por conta de protestos encabeçados por integrantes do Movimento Brasil Livre. Diversas pessoas que consideraram as obras ofensivas protestaram em frente ao museu e nas redes sociais, se queixando de que a mostra promovia a blasfêmia contra símbolos católicos, a pedofilia e zoofilia, e pediram seu encerramento.

A exposição contava com 270 obras de 85 artistas, como Cândido Portinari e Alfredo Volpi, e tinha como intenção valorizar a diversidade sexual. Ela deveria permanecer aberta a visitação até o dia 8 de outubro. No entanto, devido à pressão, o Santander resolveu suspendê-la. Em nota, o banco justificou a decisão: “Ouvimos as manifestações e entendemos que algumas das obras da exposição Queermuseu desrespeitavam símbolos, crenças e pessoas, o que não está em linha com a nossa visão de mundo . Quando a arte não é capaz de gerar inclusão e reflexão positiva, perde seu propósito maior, que é elevar a condição humana”, publicou o Santander. “Pedimos sinceras desculpas a todos os que se sentiram ofendidos por alguma obra que fazia parte da mostra”.

Ao jornal Zero Hora, Gaudêncio Fidélis, curador da Queermuseu, disse não ter sido consultado previamente sobre o cancelamento da mostra, e que é contrário a decisão. “Dentre as 270 obras da mostra, apenas quatro talvez pudessem ter causado essas manifestações. Recebo essa decisão como um choque”, afirmou. “Esse pessoal do MBL é muito reacionário”, concluiu. O Movimento, por sua vez, comemorou o encerramento: “Vitória da pressão popular!”, escreveu no Facebook oficial. 

 

COMENTÁRIOS dos leitores