Nacional Ceará Paraíba Pará Pernambuco São Paulo

Festival de Berlim começa com 'Django'

Filme é uma biografia sobre o famoso músico de jazz cigano Django Reinhardt, cuja família foi perseguida pelos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial

qui, 09/02/2017 - 10:40
VALERIE MACON (Arquivo) O cineasta holandês Paul Verhoeven VALERIE MACON

O Festival de Cinema de Berlim começa nesta quinta-feira com a exibição de "Django", filme biográfico sobre o famoso músico de jazz cigano Django Reinhardt, cuja família foi perseguida pelos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial.

Dezoito filmes disputam o Urso de Ouro na 67ª edição do festival. O júri, presidido pelo diretor holandês Paul Verhoeven, anunciará o vencedor em 18 de fevereiro.

Antes do início do festival, o cineasta afirmou que espera polêmicas e surpresas.

"Espero por ideias que ainda não vi, éticas ou imorais, não importa", disse o diretor de 78 anos em uma entrevista ao jornal Süddeutsche Zeitung.

A mostra começa com "Django", primeiro filme dirigido pelo francês Etienne Comar, até agora conhecido como roteirista e produtor.

O famoso guitarrista Django Reinhardt teve que fugir em 1943 da Paris ocupada por pertencer à comunidade cigana, perseguida pelos nazistas.

"É a história de um personagem cego por sua música, que não vê que o mundo mudar e que será afetado pela guerra", disse à AFP Etienne Comar.

"'Django' é uma história comovente de um sobrevivente", afirmou Dieter Kosslick, diretor da Berlinale.

"É um programa que diz 'sim à vida' e de artistas que descrevem vidas diárias afetadas pelo apocalipse, mas nas quais sempre há uma porta de saída", completou Kosslick.

Durante 11 dias, o festival exibirá quase 400 filmes de 70 países.

Fiel a sua tradição, a Berlinale programou filmes autorais e grandes produções americanas.

Entre os 'blockbusters' estão "Logan", terceiro capítulo das aventuras de Wolverine com Hugh Jackman, e "T2 Trainspotting" do britânico Danny Boyle, sequência do filme dos anos 1990.

O cinema autoral europeu também marcará presença com a polonesa Agnieszka Holland e o romeno Calin Peter, que exibirão seus novos filmes, "Pokot" e "Ana, mon amour", respectivamente.

- Brasil na mostra oficial -

O Brasil retorna à disputa do Urso de Ouro com "Joaquim", do diretor Marcelo Gomes ("Cinema, aspirinas e urubus").

"Joaquim" conta a história de Joaquim José da Silva Xavier (1746-1792), o Tiradentes, líder da Inconfidência Mineira.

Várias estrelas, de Penélope Cruz a Robert Pattinson passando por Catherine Deneuve, devem passar pelo tapete vermelho do festival.

Richard Gere viajará até a capital da Alemanha para apresentar o thriller "The Dinner", sobre duas famílias que escondem um segredo terrível, coprotagonizado por Laura Linney, Rebecca Hall e Chloë Sevigny.

Grande defensor da causa tibetana, o ator americano aproveitará a oportunidade para ter uma reunião com Angela Merkel. No ano passado, a chanceler alemã recebeu George Clooney para falar sobre os refugiados na Europa.

A Berlinale tem uma tradição de ativismo. Muitas pessoas esperam que diretores e atores aproveitem a oportunidade para divulgar mensagens sober o populismo no Ocidente ou a chegada de Donald Trump à Casa Branca.

COMENTÁRIOS dos leitores