Aldo Vilela

Aldo Vilela

Jornalista

Os Blogs Parceiros e Colunistas do Portal LeiaJa.com são formados por autores convidados pelo domínio notável das mais diversas áreas de conhecimento. Todos as publicações são de inteira responsabilidade de seus autores, da mesma forma que os comentários feitos pelos internautas.

Todos falam, mas os principais atores não se pronunciam sobre o óbvio que são os problemas do Brasil

Aldo Vilelaseg, 25/06/2018 - 11:33

Muito fácil falar, propor e tecer comentários sobre o país, os políticos e a forma de se fazer política neste país, abaixo um belo artigo produzido pelo professor José Maria Nóbrega, comentarista político na Rádio CBN-Recife, cientista político, doutor em Ciência Política pela UFPE e professor de Ciência Política da UFCG.

O cinismo na Ciência Política

Nos últimos vinte anos a Ciência Política brasileira se sofisticou. Os departamentos de CP se propagaram no país, com pós-graduações, produções de dissertações e teses premiadas e tudo o mais. Teoria e método avançaram exponencialmente e o cientista político se tornou tão quão importante os economistas e jornalistas para a interpretação do cenário político. A realidade da política nacional passou a pautar a agenda do cientista político. Interpretações baseadas em “cálculos estratégicos” dos atores políticos envolvidos na “trama” eleitoral brasileira se tornaram hegemônicas nos nossos engravatados cientistas políticos. A “emoção” da crítica à gestão se tornou secundária. Ficamos cínicos!

Cinismo, “atitude ou caráter de pessoa que revela descaso pelas convenções sociais e pela moral vigente; impudência, desfaçatez, descaramento”. Esta é a definição do dicionário do Google. Ou seja, descaso pela moral vigente, pelo republicanismo na política e pela decência do comportamento do representante. O cientista político se tornou um cínico apegado ao racionalismo estratégico e ao marketing interpretativo das pesquisas de opinião. O “dever ser” se tornou irrelevante.

Republicanismo, democracia, liberdade e etc. passaram a ser insignificantes para os cínicos novos cientistas políticos. Criticar um parlamentar ou governador de estado, nem pensar! Pode ser um potencial “cliente” do “intérprete” de cenários, do “orientador” de corruptos. Os valores democráticos não pautam a nova ciência política, ela é racional, calculadora e cínica.

A ciência política, dessa forma, trabalha contra a democracia. Esta é um regime político no qual eleitos devem ser responsivos aos eleitores. Quando os eleitos se tornam “donos do poder” e os cientistas políticos se tornam cínicos, a democracia, mesmo a eleitoral, fica ameaçada, a liberdade fica à mercê dos políticos corruptos e jornalistas são amordaçados ou demitidos de suas redações.

A Freedom House, importante órgão internacional e não governamental que analisa o nível de democracia dos países no mundo, utiliza como principal parâmetro a liberdade de imprensa e expressão para classificar os países em democráticos, parcialmente democráticos e não-democráticos. Países como Rússia, Venezuela e China são classificados como não-democráticos por não permitirem à livre-imprensa. O Brasil é classificado como parcialmente-democrático já que há lacunas na liberdade de imprensa.

O episódio recente com o jornalista pernambucano João Valadares demonstra bem o que representa essa lacuna. JV foi enfático ao criticar alguns dos gestores de Pernambuco que, como “donos do poder” que pensam ser, pressionaram os empresários de seu grupo de comunicação a demiti-lo, o que ocorreu.

Os cientistas políticos nada falaram! Nada! Nenhuma linha sobre a “capitania hereditária” de Pernambuco na qual os “donos do poder” não podem ser incomodados pelas críticas a sua gestão e representação.

A Ciência Política não pode servir apenas para analisar as estratégias mais adequadas para se alcançar o poder. Isso é cinismo. Ela tem o dever de mostrar os gargalos administrativos, a irresponsabilidade dos representantes e o autoritarismo do governo. Sem esse papel ela se afunda num cinismo sem fim!

AD Diper lança projeto de incentivo à produção têxtil

Visando a ampliação do potencial têxtil do Estado, a AD Diper lança, na próxima segunda-feira (25), às 9h, na sede da Cooperativa Grupo de Mulheres Objetivas de Lagoa do Carro, um projeto para o fomento do corte e costura no município da Zona da Mata Norte.

Projeto

Realizado em parceria com a Prefeitura Municipal de Lagoa do Carro e a Cooperativa Grupo de Mulheres Objetivas de Lagoa do Carro, o projeto, orçado em R$ 60 mil, consiste em aulas teóricas e práticas de capacitação, voltando-se para o corte e costura industrial, preparação para o mercado, entrega de novos maquinários e equipamentos e a busca da obtenção do selo ABVTEX. A iniciativa vai permitir às cooperativas e cooperativadas a produzirem e fornecerem seus produtos às grandes redes varejistas do País.

Sempre em campanha

Os pré-candidatos a governador e senador pela Frente das Oposições, Armando Monteiro (PTB) e Mendonça Filho (DEM), respectivamente, prestigiaram, na noite do sábado (23), o São João de Gravatá, no Agreste. Ao lado do prefeito Joaquim Neto (PSDB), eles estão virados tentando angariar votos e conquistar mais cidades.

E o outro lado ?

Enquanto a oposição busca votos nas cidades do interior , o governador Paulo Câmara foi vitima talvez de sua impopularidade. Esteve em Carpina e junto com o prefeito Manoel Botafogo foi vaiado pelo público que estava na praça central onde ocorria a festa de São João.

COMENTÁRIOS dos leitores