Aldo Vilela

Aldo Vilela

Jornalista

Os Blogs Parceiros e Colunistas do Portal LeiaJa.com são formados por autores convidados pelo domínio notável das mais diversas áreas de conhecimento. Todos as publicações são de inteira responsabilidade de seus autores, da mesma forma que os comentários feitos pelos internautas.

Nada de propostas para Pernambuco, apenas projetos pessoais nestas eleições 2018

Aldo Vilelaqua, 23/05/2018 - 09:19

 

Parece brincadeira, mas não é, estamos à beira de mais uma eleição geral e aqui em Pernambuco nada muda, os candidatos são os mesmos, as famílias são as mesmas, e os nomes se revezam sem nenhuma nova proposta para o estado, ninguém quer saber de discutir Pernambuco, cada dia está mais claro que cada um quer apenas discutir e garantir os seus mandatos para poder seguir nadando num mar de privilégio que a política nacional proporciona. As discussões são as mesmas, cada um candidato que bata no outro para se defender, mesmo sabendo que todos têm telhado de vidro. Este ano teremos a eleição do acusar do bater e do defender interesses próprios. Caro leitor, faça um exercício de pensamento, busque na memória, anos e anos se passam e os políticos aqui apenas se revezam, são os mesmos, que entraram pobres na política e hoje esbanjam patrimônios invejáveis e claro não querem como diz o popular ditado “ largar o osso”. Que falta de sorte temos aqui em Pernambuco e no Brasil. Aos poucos os nomes estão sendo colocados, chegamos a uma eleição com velhos políticos, cansados e que não estão mais em sintonia com o século 21. Perde o Estado perdemos todos.

Oposição aumenta ritmo de pancada no governo Paulo Câmara

Na tentativa de mostrar à população uma realidade que não condiz com a situação que vive Pernambuco, o Governo Paulo Câmara aumentou em três anos o valor destinado à publicidade. Os gastos saíram de R$49 milhões em 2015, para R$66 mi em 2017, o que representa um aumento de 35,80%.

Através do líder a critica

Segundo o líder da Oposição, Silvio Costa Filho (PRB), os gastos excessivos com a publicidade por parte do Governo do Estado, só comprovam a falta de compromisso com os pernambucanos e uma realidade diferente da que vivem os pernambucanos. “Enquanto faltam insumos básicos nos hospitais, dinheiro para os programas e investimentos em áreas sociais, o governo prefere gastar milhões em publicidade para vender uma imagem de que está tudo bem”, comparou.

Mais dados

Outro dado que chama atenção é que existe um elevado valor pago até o fim do mês de abril deste ano (R$18.594.144,55), sendo a maioria (R$16.533.726,49), referentes a restos a pagar do exercício de 2017. Além disso, na peça orçamentária anual de 2018, o governo deve destinar mais R$65.934.000, ou seja, deixa de destinar recursos para áreas importantes, como a educação, saúde e segurança pública e utiliza em publicidade. 

 

Sem dar sossego

“Na peça publicitária, o governo afirma que contratou novos policiais e reforçou o número de viaturas, mas esconde a quantidade de profissionais que saíram da corporação. Além disso, afirma ter o maior parque eólico do Brasil, quando na verdade é o Estado do Rio Grande do Norte o maior produtor de energia eólica do País, sendo Pernambuco o sexto lugar. A população não pode ser mais enganada com tantas inverdades”, pontua Silvio.   

Milhões jogados fora

Além de gastar milhões com a publicidade nos últimos três anos, o governador Paulo Câmara destinou também recursos para a Arena Pernambuco, gastou com cargos comissionados e consultoria. Enquanto isso, o que se vê é que o governador deve chegar ao final do seu mandato com menos de 30% do programa de governo cumprido. O Projeto de Navegabilidade do Rio Capibaribe continua parado, o corredor do VLT da Avenida Norte nunca saiu do papel, a promessa da tarifa única ainda não foi cumprida, de dobrar o salário dos professores, o Plano de Cargos e Carreiras, além das 20 unidades do Compaz prometidas e não foram entregues, entre outras promessas.

Briga na justiça 

 

A Oposição está analisando as medidas cabíveis para provocar o Ministério Público Eleitoral para que este analise os gastos com a publicidade assinada Governo do Estado, tendo em vista que muitas delas não são verdadeiras. “A propaganda institucional apresentada não condiz com a realidade da vida das pessoas. É preciso cobrar por respostas”, finaliza Silvio. 

 

Gestor de Igarassu participa da Marcha dos Prefeitos

Mario Ricardo participa em Brasília junto com prefeitos de todo o país, da 21ª Marcha em Defesa dos Municípios. O evento já recebeu os presidenciáveis e debateu as prioridades dos governos locais e as mudanças estruturais. O prefeito de Igarassu coordenou a temática do Pacto Global de Prefeitos para o Clima e a Água, nesta mesa também participou a consultora da União Europeia, Lise Pate com a palestra Projeto Pacto Global para o Clima e Energia. Durante evento, Mario Ricardo participou ainda da assinatura do termo de compromisso com o Brasil promovido pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM).

Vereador Rinaldo Júnior critica gestão Geraldo Julio

O impacto da falta de saneamento ambiental na saúde e na qualidade de vida da população recifense foi o centro da discussão da audiência pública realizada na manhã desta terça-feira (22), na Câmara Municipal do Recife. O debate foi uma iniciativa do vereador Rinaldo Junior (PRB), líder da bancada da oposição da Casa Legislativa. Além da sociedade civil, debateram o tema: Guilherme Tavares, gerente geral de Saneamento e Obras, representando a Prefeitura do Recife; José Barbosa, presidente do Sindicato dos Urbanitários; André Monteiro, pesquisador da Fiocruz Ageu Magalhães; Cristina Sette, Professora da UPE, pós-graduada em Saúde Pública e Medicina do Trabalho; e Paulo Rubem Santiago, professor da UFPE e ex-deputado federal.

Críticas

O vereador Rinaldo Junior destacou a importância do debate. “É um tema que alguns governantes não dão a devida importância, mas que deveria ser tratado como prioridade. Pesquisamos no Portal da Transparência da Prefeitura do Recife e constatamos que foram orçados R$ 254 milhões, mas apenas R$ 41 milhões foram executados. E mais, estudos apontam que a cada R$ 1 investido em saneamento economiza-se R$ 7 no SUS, e essa declaração foi feita pelo próprio prefeito Geraldo Julio no ano passado. Ele sabe que o Recife ocupa a 75º colocação no ranking do saneamento das 100 maiores cidades do país”, frisou Rinaldo.

Ineficiência de gestão

Ainda em sua fala na audiência o parlamentar completou: “Fico estarrecido, porém preocupado, com a situação das famílias que vivem no Recife, sem saneamento e expostas a doenças. Oferecer saneamento adequado é proporcionar dignidade e qualidade de vida para as pessoas, e é disso que elas precisam. E essa audiência pública pretende apontar soluções. Vamos formular um documento e entregar nas mãos do prefeito e à sociedade”, garantiu Rinaldo Junior.

Aprovado parecer do senador facilita aumento de recursos na merenda escolar

Os pequenos municípios, principalmente, poderão ampliar os recursos em merenda escolar e na aquisição de uniformes dos alunos com a aprovação, nesta terça-feira (22), de parecer do senador Armando Monteiro (PTB-PE) a projeto de lei que inclui as despesas com os dois itens nos gastos obrigatórios em educação. Votado na Comissão de Assuntos Econômicos, o projeto segue ao exame da Comissão de Educação. “A grande maioria das prefeituras de Pernambuco será beneficiada”, assinalou Armando.

Como será?

Armando explica que, como é compulsória para estados e municípios, por dispositivo constitucional, a aplicação mínima em educação de 25% do orçamento, e os gastos com merenda e uniformes estão fora dessa obrigatoriedade, as prefeituras mais carentes de recursos têm dificuldades em atender satisfatoriamente as duas necessidades.

"Por que o transporte escolar é considerado despesa com educação, mas a merenda escolar, não é?”, indaga o parecer do senador pernambucano ao projeto de lei de autoria do conterrâneo Fernando Bezerra Coelho (MDB). 

Justificativa  

Armando justifica seu parecer argumentando haver total correlação entre nutrição e desempenho escolar. “O mínimo de bom-senso é suficiente para concluir que estudantes melhor alimentados conseguem aprender mais e melhor, um efeito particularmente forte nos municípios mais carentes”, enfatiza. A inclusão dos uniformes como gasto em educação, por sua vez, completa ele, libera as famílias mais pobres para adquirir outros bens e serviços que ajudarão no aprendizado dos filhos.

Gastos mais coerentes

Segundo o senador petebista, a computação dos dois itens como gasto obrigatório com educação trará maior eficiência e maior flexibilidade orçamentária às prefeituras e governadores. ‘É importante para prefeitos e governadores saberem exatamente o que é e o que não é despesa com educação, para que possam executar seus orçamentos respeitando a Constituição e demais normas legais”, ressalta o parecer de Armando Monteiro. 

 

COMENTÁRIOS dos leitores