Edmar Lyra

Edmar Lyra

Coluna Diária

Perfil:Bacharel em Administração de Empresas e Jornalista profissional, é colunista do jornal Gazeta Nossa da Região Metropolitana do Recife e do jornal Folha do Pajeú do Sertão do Pajeú

Os Blogs Parceiros e Colunistas do Portal LeiaJa.com são formados por autores convidados pelo domínio notável das mais diversas áreas de conhecimento. Todos as publicações são de inteira responsabilidade de seus autores, da mesma forma que os comentários feitos pelos internautas.

Um novo tsunami desmorona o Brasil

Edmar Lyraqui, 18/05/2017 - 00:30

Quando o Brasil dava sinais de que estava recuperando a economia mesmo aos trancos e barrancos, uma nova bomba de efeito devastador recai sobre a política brasileira. As informações foram divulgadas ontem à noite dando conta de uma gravação do dono da JBS em março de uma conversa com o presidente Michel Temer, que consistia em comprar o silêncio do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha.

A operação feita pelo dono da JBS teve o suporte e o aval da força tarefa da Lava-Jato, tanto as gravações, em vídeo e áudio, quanto o dinheiro dado a pessoas ligadas aos senadores Aécio Neves e Zezé Perrella, foram feitas com o consentimento da Lava-Jato para a produção de provas. Os efeitos desta denúncia são imediatos e indiscutíveis. A queda do presidente Michel Temer é um fato inexorável.

Temer cometeu pelo menos o crime de obstrução à justiça, e corre sérios riscos de ser preso, basta que o plenário do Supremo Tribunal Federal assim decida. Com a denúncia, além da queda do presidente, que já era plausível via TSE, as reformas trabalhista e previdenciária simplesmente foram pro vinagre, acabando assim com os planos de retomada da economia.

Com a provável saída do presidente, o deputado federal Rodrigo Maia (DEM/RJ) herda interinamente o mandato, onde será convocada uma eleição indireta que pode ser disputada por qualquer brasileiro com idade para o cargo que esteja filiado a um partido político. Essa eleição ocorreria pelo Congresso Nacional, composto por 513 deputados federais e 81 senadores. A profecia feita pelo ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha de que seria responsável pela queda de dois presidentes está em vias de ser consumada.

Futebol - A Comissão de Esportes e Lazer, presidida pelo deputado Beto Accioly (PSL)  realiza nesta quinta-feira, às 10h, audiência pública para debater a democratização e o controle social sobre as entidades responsáveis pelo futebol no Estado de Pernambuco. A iniciativa veio através da elaboração do projeto de lei 1303/2017, apresentado pelo deputado Rodrigo Novaes (PSD).

Vice - Com o ministro das Cidades Bruno Araújo nas cordas, ora pela Lava-Jato, ora pela provável queda de Michel Temer, o nome do deputado estadual Antonio Moraes ganhou força para ser candidato a vice-governador na chapa de reeleição do governador Paulo Câmara. O deputado fez rasgados elogios ao governador durante o Pernambuco em Ação semana passada.

Melhor - Durante a Marcha dos Prefeitos em Brasília, o presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia afirmou que Paulo Câmara é o melhor governador do Brasil. A declaração não foi muito bem recebida pelo ministro da Educação Mendonça Filho, que ainda sonha em ser candidato majoritário numa chapa opositora ao governador. Mendonça e Rodrigo são filiados ao DEM.

Sinal - A maioria dos deputados estaduais sinalizam que não querem trocar o certo pelo duvidoso. A relação da Alepe com o governador Paulo Câmara tem sido a melhor possível e os deputados não enxergam nenhum nome capaz de fazer melhor do que o governador vem fazendo ao longo do seu mandato diante de tamanha dificuldade.

RÁPIDAS

PEN - O Partido Ecológico Nacional comandado pelo vereador Davi Muniz está montando uma chapa extremamente competitiva para a Assembleia Legislativa de Pernambuco, que poderá contar com seis vereadores do Recife e eleger pelo menos dois deputados estaduais em 2018.

Alvaro Dias - Um nome que pode ser candidato a presidente numa eleição indireta é o do senador Alvaro Dias (PV), que foi eleito com a maior votação proporcional de 2014 para o Senado. Alvaro também não teve seu nome envolvido na operação Lava-Jato.

Inocente quer saber - Como ficam os ministros pernambucanos após a bomba envolvendo Michel Temer?

COMENTÁRIOS dos leitores