Luiz Mendes

Luiz Mendes

Deixa que eu chuto

Perfil: Graduado em Jornalismo pela Faculdade Maurício de Nassau. Começou a carreira trabalhando em rádio e atualmente é editor de esportes do LeiaJá

Os Blogs Parceiros e Colunistas do Portal LeiaJa.com são formados por autores convidados pelo domínio notável das mais diversas áreas de conhecimento. Todos as publicações são de inteira responsabilidade de seus autores, da mesma forma que os comentários feitos pelos internautas.

Aranha goleia os racistas

Luiz Mendessex, 19/09/2014 - 09:37
EDU ANDRADE/FATOPRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Inocente foi quem pensou que a recepção ao goleiro Aranha na Arena do Grêmio, na noite de ontem, seria diferente. Novamente estavam lá as vaias e os insultos. Desta vez mudou o animal. Ao invés de macaco, chamaram o arqueiro do Santos de veado.

Vaias fazem parte do jogo, insultos não. Por mais corriqueiro que seja dentro de praças esportivas, ninguém tem o direito de ofender quem está trabalhando. É sempre bom lembrar que o lazer de uns é o ganha pão de outros.

A torcida do Grêmio não conseguiu entender algo óbvio. Aranha não é o culpado pelas punições que o clube gaúcho sofreu. Ela, a própria torcida tricolor, é a maior responsável pelo que o time vem passando na justiça. Se atitudes como a de ontem se repetirem, as coisas tendem a piorar. 

Os gremistas não são os únicos, mas a série de incidentes vai dando a eles a alcunha de torcida mais racista do Brasil. 

Em meio a episódios tão lamentáveis, me alegra ver a postura do goleiro do Santos. Tudo que conhecia dele até então era que tinha passado por times de menor expressão e por muito tempo ficou na reserva do time da Vila Belmiro. Nada mais do que um atleta mediano. Após as injúrias sofridas apareceu para o Brasil um sujeito muito bem esclarecido nas palavras e na postura.

Acostumados a ouvir mais do mesmo vindo da boca de jogadores de futebol, é bom escutar Aranha falando que muitas pessoas brigaram, apanharam e até morreram para que os negros tivessem direitos. Fica claro que ele não quer ser protagonista de sensacionalismos. O goleiro não foge a nenhuma pergunta sobre o assunto. Revelou que perdoa a torcedora que o agrediu com palavras e que até está disposta a encontrá-la, apenas não quer um circo armado pela mídia quando isso ocorrer.

O racismo existe. Não adianta fingir que não acontece. Lamentável, mas ainda vai demorar a ser exterminado, se é que um dia isso vai acontecer. Mas episódios como estes fazem ele ficar cada dia mais exposto. Dessa forma é mais fácil de combatê-lo. Ainda bem.

3 dentro

- Copa do Nordeste. Vai se tornando a principal competição da região. Mais até que outros torneios de nacionais. A valorização dos clubes e dos torcedores pelo campeonato faz com que ele fique mais atrativo a cada edição.

- Santa Cruz. Demorou, mas a diretoria se mexeu e tirou Sérgio Guedes do comando do time. Além de motivador, como desejam os cartolas corais, o novo treinador tricolor precisa ser um estudioso do futebol. Não é qualquer um que vai dar jeito no sistema defensivo do time.

- Bruninho. Não é fácil ter o pai como chefe, ainda mais se este for Bernardinho. Após sete anos na seleção brasileira, o levantador parece ter deixado a fama de filho do técnico para demonstrar ser um dos melhores do mundo atualmente na posição, além de ser peça fundamental para o time do Brasil.

3 fora

- Emerson Sheik. Todos sabem que a CBF é uma vergonha. Não era necessário o atacante do Botafogo escancarar isso para as câmeras de TV após ser expulso no jogo contra o Bahia. Com um futebol bem abaixo do esperado, o experiente jogador hoje aparece mais em notícias de sites de fofoca no que no caderno de esportes de qualquer jornal. 

- Fifa. Cara de pau não causa constrangimento. A atitude da entidade que gere o futebol no mundo de pedir que seus dirigentes devolvam relógios que receberam da CBF durante a Copa chega a ser irônica. Cada mimo tem um valor estimado de R$ 60 mil. Os favorecidos tinham a orientação prévia de não aceitar esse tipo de agrado. Alguém acredita que a nova ordem seja cumprida?

- Marco Polo Del Nero. O futuro presidente da CBF mostrou que entende mais de modelos com metade da sua idade interessadas em tê-lo como trampolim para fama do que de jogadores convocados por Dunga. Isso é o que mostra um vídeo divulgado pela ESPN Brasil onde o cartola faz uma série de perguntas sobre os laterais Dodô e Mario Fernades, novidades na convocação para os amistosos do Brasil na Ásia.

COMENTÁRIOS dos leitores