Hotéis reclamam: falta mão de obra qualificada em Porto

Gestores do setor afirmam estar encontrado dificuldades para contratar profissionais qualificados e que atendam aos requisitos das vagas oferecidas no principal destino turístico de Pernambuco

por Nicole Simões sex, 06/10/2017 - 08:00
Reprodução/Site Porto de Galinhas Convention & Visitors Bureau Porto de Galinhas é um dos destinos mais procurados do litoral Pernambucano Reprodução/Site Porto de Galinhas Convention & Visitors Bureau

No Litoral Sul de Pernambuco, um dos destinos mais procurados pelos pernambucanos e turistas é a praia de Porto de Galinhas. Como a demanda nos hotéis e pousadas cresce bastante durante as férias e com a chegada do verão, alguns empresários e representantes do setor hoteleiro têm encontrado dificuldades para contratar profissionais qualificados para preencher as vagas abertas na região e reforçar assim o quadro de funcionários. 

De acordo com Ulisses Ávila, diretor executivo da Associação dos Hotéis de Porto, há uma carência muito grande por mão de obra qualificada na região. “Quando aparecem as vagas de emprego nas empresas turísticas daqui, nossa prioridade é a população de Porto. Damos preferência aos profissionais da região, porém é nesse momento de contratação que esbarramos com a falta de qualificação das pessoas”, explica.

Já Brenda Silveira, diretora executiva do Porto de Galinhas Convention & Visitors Bureau - associação privada sem fins lucrativos que busca divulgar a região, afirma que um dos motivos dessa escassez são os cursos superiores oferecidos no estado de Pernambuco na área de turismo, hotelaria e gastronomia, que não atendem aos requisitos ou possuem mais conteúdos teóricos do que práticos, enquanto as oportunidades na região exigem até mesmo um pouco mais de experiência.

Sem alternativa, os hotéis acabam tento que treinar os próprios funcionários para realizar determinadas funções ou acabam contratando pessoas novas com formação em outros cursos para atender a demanda. O que chega a ser um custo a mais, pois as redes hoteleiras e os serviços precisam investir nos profissionais. "Como a gente precisa preencher as vagas, muitas empresas acabam contratando profissionais formados em qualquer curso ou até mesmo pessoas que nunca estudaram na vida", explica Brenda.

A diretora executiva também diz que as empresas que hoje atuam em Porto estão trazendo pessoas de outros estados para suprir as vagas. "As pousadas, hotéis, restaurantes, empresas de recepção, entre outras redes, infelizmente, têm enfrentado um desafio para selecionar candidatos às vagas que temos abertas aqui. Muitas vezes, os interessados não possuem uma qualificação tão boa como o mercado exige e aí temos que ir buscar fora por que aqui não tem", afirma.

Segundo idioma

Um dos requisitos que as empresas mais exigem é possuir curso avançado em algum idioma estrangeiro, como o inglês ou espanhol. Além disso, as empresas têm buscado pessoas que gostem de atender, tenha empatia, e principalmente qualificação no ensino superior e experiência a área.  

“As nossas vagas exigem coisas fundamentais para as áreas de turismo, hotelaria e gastronomia, como ter no currículo um idioma e curso de qualificação. Às vezes a gente tem vaga para o cargo de garçom, mas temos que contratar alguém e treinar aqui, porque não encontramos quem tenha curso”, detalha Graziele Santos, que é gerente de Recursos Humanos dos hotéis Viver Porto de Galinhas e Solar Porto de Galinhas.

A preocupação dos gestores, hoje, está em capacitar os moradores de Porto e da redondeza, mas segundo Ulisses Ávila, o grande problema é que essas pessoas muitas vezes não têm interesse. “É difícil fazer as pessoas entenderem que precisam de qualificação. Em alguns momentos, temos vaga para funções que exigem certos cursos, mas não há quem atenda a esses requisitos”, esclarece o diretor executivo.

Questionado sobre a oferta de cursos de capacitação no Trend Turístico, Ulisses explica que há a disponibilização por parte da Prefeitura de Ipojuca, em parcerias com o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac) e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), e outras vezes com o próprio Governo do Estado. 

Ele também conta que 80% da mão de obra na região precisa ser preenchida pela comunidade de Porto de Galinhas e defende a aprimoração dos serviços. “Precisamos melhorar a qualidade de vida do Ipojucano. Precisamos qualificar a mão de obra local, achar quem queira ser qualificado. Até por que, quanto mais qualificação a função exija, maior é a dificuldade de preencher esse cargo”.

 

Reprodução/Site Solar Porto de Galinhas

Desemprego não afetou Porto de Galinhas

Já segundo Brenda Silveira, não houve crise em Porto de Galinhas. “Acredito que aqui na região a crise não chegou. Pelo contrário, continuamos oferecendo vagas de emprego sem precisar demitir ninguém”, garante. 

Algumas das oportunidades disponíveis na região, por exemplo, são para cargos de recepcionista, auxiliares de cozinha, garçons e recreadores infantis. Os interessados em tentar uma vaga nos hotéis e empresas turísticas de lá, podem entrar em contato com Porto de Galinhas Conventions Bureau, através do e-mail contato@portodegalinhas.org.br, e enviar o currículo. A associação é responsável por repassar o currículo dos profissionais para os hotéis e pousadas da região. Um outro e-mail também disponibilizado para candidatura das vagas em Porto é o recrutamento@vivaportodegalinhas.com.br. 

COMENTÁRIOS dos leitores