Especialista lista 10 dicas para montar um bom currículo

Documento é primeira impressão que fica do candidato para o contratante

por Nicole Simões seg, 09/01/2017 - 13:49
Pixabay Currículo é cartão de visita do profissional Pixabay

Não é novidade para ninguém que o primeiro contato entre o profissional e o seu possível empregador é feito por meio do currículo. Ele é a primeira impressão. Na maioria das vezes, alguns candidatos já são descartados por apresentarem um documento com excesso (ou falta) de informações. Por isso, o LeiaJá elaborou, com ajuda de uma especialista no assunto, uma lista com as 10 melhores dicas para se fazer um bom currículo. 

Em tempo de crises econômicas, é preciso se qualificar profissionalmente e ganhar destaque no mercado de trabalho. De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínuos (Pnad), divulgada em dezembro de 2016 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a taxa de desemprego no país passou de 9,5% no trimestre encerrado em janeiro para 11,8%. E o número de desempregados aumentou em mais de 2 milhões em 2016, chegando a 12 milhões de brasileiros. 

Segundo a supervisora de Recursos Humanos, Roberta Blenda, em um período de muitos desempregos, ter um currículo bem elaborado ajuda. “O documento deve apresentar informações relevantes e acima de tudo verdadeiras”, explica.

Confira:

1. Colocar informações necessárias

De uma forma coesa e coerente, o currículo precisa conter informações necessárias para que o candidato possa se apresentar ao recrutador. Ser objetivo e claro nas informações é imprescindível. Não é preciso preencher o cabeçalho do currículo com RG, CPF e etc. Basta o nome completo, idade, estado civil, endereço completo, um telefone para contato e um para recado, data de nascimento e um e-mail. 

2. O currículo precisa conter informações atualizadas e verídicas

É muito importante que as informações estejam atualizadas. Muitos candidatos esquecem de colocar principalmente a sua formação e as datas das conclusões no documento. Algumas pessoas acham que não é necessário, mas isso conta. Além do perfil do candidato. Conter informações verídicas pode ajudar para que você seja visto com bons olhos pelo departamento de recursos humanos. 

3. Esqueça as fotos e outros recursos gráficos

Não ponha fotos no currículo, a menos que seja exigido pela empresa. E no caso de ter que incluir sua foto, tente usar uma simples em que você pareça natural e simpático, aquelas no tamanho 3x4. Também não é preciso utilizar recursos gráficos para enfeitar o currículo. Bordas, fontes diferentes, efeitos de sombra, excesso de cores, entre outros. Seja simples. A fonte do texto deve ser sóbria também. É bom evitar as cursivas, que parecem escritas à mão, ou muito enfeitadas – elas podem provocar dificuldade de leitura.

4. Especifique a sua área de atuação e seus objetivos profissionais

Após os dados pessoais e antes da descrição de suas experiências e formação, é legal apresentar uma área de atuação bem definida, usando poucas palavras. Essa informação deve comunicar, de maneira rápida e genérica, com o que você trabalha. É imprescindível que você saiba e diga o que almeja. Quando for formular seu objetivo, evite incluir descrições genéricas ou frases feitas.

5. Não esqueça a sua formação 

Na formação escolar, é interessante que o candidato coloque as informações da mais recente a mais antiga. Em ordem e com as datas das conclusões de cada uma. Contendo o nome do curso, instituição que cursou e o ano.  “O fato do currículo está elaborado nesses padrões já chama a nossa atenção, quando nós vemos que a pessoa fez uma graduação em 2012, uma pós-graduação em 2014, um curso de inglês em 2016 e atualmente está matriculado em outro curso já faz com que o seu currículo receba um olhar diferenciado, pois tem as datas de conclusões e é bem detalhado”, comenta Roberta, em entrevista ao LeiaJá. 

6. Capriche nas experiências profissionais, mas sem exagero

Aqui devem entrar suas experiências mais atuais e relevantes. Essa é uma das partes mais importantes do seu currículo, é preciso tratá-la com atenção especial. A ordem das experiências deve ser sempre da mais recente para a mais antiga. A experiência profissional é uma das áreas que o recrutador normalmente mais olha, dependendo da vaga e empresa. Em muitos casos, os currículos contêm muitas informações nesse quadro, mas o que mais importa são as três últimas experiências. Coloque o nome da empresa onde trabalha ou trabalhou período em que trabalhou nesta empresa (ou se ainda está nela), último cargo ocupado ou função realizada, e a descrição das suas atividades nesta empresa. “Ter experiência e estudos é importante, mas não saber como apresentá-los pode botar tudo a perder”, reforça a Supervisora.

7. Descreva seus cursos e qualificações

Se você tem cursos técnicos, experiências internacionais, ou participação em eventos que possam turbinar as chances de ganhar a vaga, liste-os. Não precisa encher de detalhes nem fazer uma lista comprida de eventos. Basta colocar o título, a instituição, o local e a data. Faça também um resumo das suas principais qualificações, usando poucas palavras, descrevendo as áreas de atuação e seu papel em cada uma delas. Escolha apenas aquelas que têm mais a ver com a empresa onde você concorre a uma vaga.

8. Lembre-se de colocar sempre as referências profissionais

Na maioria das vezes candidatos se confundirem e ao invés de colorem referências profissionais, que possam lhe indicar, acabam colocando referências pessoais. E isso é desnecessário. Coloque apenas um ou dois telefones para contato. 

9. Evite problemas de português 

Invista em uma revisão detalhada de todo o seu currículo. Se não tem certeza sobre a escrita de uma palavra, consulte-a em algum dicionário online. Peça a ajuda de alguém especializado. Só não vale enviar currículo com erros para o avaliador. Antes de enviá-lo a uma empresa é muito importante verificar se todos os dados estão corretos e se a ordem das informações facilita a leitura do documento.

10. Seja o mais simples possível

O currículo deve ter no máximo duas páginas, não mais que isso.  Obviamente, não existe o currículo ideal. Cada empregador vai olhar de uma forma diferente para o que tiver em mãos. Por isso, o segredo é conhecer bem a empresa onde quer trabalhar e estruturar as informações de acordo com o perfil do lugar.

COMENTÁRIOS dos leitores